É

tão comum falarmos de doação de sangue, que dificilmente paramos para pensar que os animaizinhos também precisam desse procedimento. Pois, algumas doenças debilitam o organismo deles e é necessário repor com uma transfusão de sangue.


Veja nesse artigo por que cães e gatos necessitam de transfusão de sangue e quais os critérios para que esses bichinhos possam ser doadores. Bem como a constituição do tipo sanguíneo de cada uma dessas espécies.

Por que cães e gatos precisam de transfusão de sangue?


Saiba que os bichinhos tem um organismo com as mesmas necessidades e deficiências dos seres humanos. Por isso, também estão sujeitos a algumas doenças que debilitam tanto o seu organismo, que é necessário fazer uma transfusão de sangue.

As situações mais comuns que levam um cãozinho ou um gatinho a precisar de uma transfusão de sangue são:

  • Atropelamentos;
  • Intoxicação;
  • Câncer;
  • Cortes profundos;
  • Anemia severa;
  • Suporte para processos cirúrgicos.

Nestes casos, a transfusão de sangue fortalece o organismo anêmico do animalzinho, bem como repõe o volume de sangue perdido. Além disso, todo o procedimento é bastante semelhante ao que é realizado com as pessoas.

Ou seja, um animalzinho doador tem o seu sangue coletado e armazenado em uma bolsa de sangue em bancos de sangue veterinários.  


Como fazer para o seu pet ser um doador de sangue


Saiba que a doação de sangue é extremamente importante para garantir a recuperação de outros animais. Além disso, é um processo simples e necessita que o seu animalzinho esteja apto em todos os critérios exigidos para ser doador.

É preciso fazer um contato com o veterinário que cuida do seu pet e verificar onde estão sendo realizadas as campanhas de doação de sangue. Normalmente, clínicas e hospitais veterinários realizam periodicamente essas ações.

Além disso, é interessante fazer contato com o Centro de Zoonoses da sua cidade para se informar dos pontos de coleta e procedimentos necessários. Conheça o passo a passo para a doação de sangue e veja como o processo é simples.

  1. Seu animalzinho deve estar em jejum de 4 a 5 horas para doar o sangue;
  2. Você preenche uma ficha e o bichinho é encaminhado para a doação. É recomendado que apenas animaizinhos mais calmos sejam levados para a doação, que é feita por um acesso no pescoço ou nas patas;
  3. É retirada uma amostra do sangue para verificar o tipo sanguíneo e se está saudável para ser utilizado em outros animais doentes;
  4. Durante o período de coleta do sangue, o animal permanece deitado e acompanhado pelo seu dono, para se sentir protegido e amparado.
  5. Terminada a coleta, o animalzinho ganha petiscos e ração que tanto serve para renovar as energias quanto para um agrado pela doação realizada.
  6. As doações podem ser realizadas de 3 em 3 meses, desde que os animaizinhos estejam saudáveis e atendendo a todas as exigências para a doação.  


Critérios para doação de sangue de cães e gatos

Da mesma forma que existem critérios para a doação de sangue humano, também foram criados critérios específicos físicos e laboratoriais para esses bichinhos, que são:


Para os cães
  1. Peso: acima de 27kg;
  2. Idade: de 1,5 até os 7 anos;
  3. Hematócrito: maior que 40%. Esta é uma medida da percentagem de células vermelhas no sangue, que serve para o diagnóstico de anemia e desidratação grave;
  4. Negativo para Leishmaniose, babesiose, erlichiose, anapalsmose, brucelose e dirofilariose;
  5. DEA: de 1.1, 1.2 e 7 negativos, que corresponde ao tipo sanguíneo dos cães.


Para os gatos
  1. Peso: acima de 4,5 kg;
  2. Idade: de 2 até os 7 anos;
  3. Hematócrito: maior que 35%;
  4. Negativos para FIV, FeLV e micoplasmose;
  5. DEA: precisa definir a tipagem sanguínea.


Comuns para cães e gatos
  1. Sexo: não existe restrição quanto ao sexo, desde que não estejam em período gestacional;
  2. Vacinação: em dia juntamente com a vermifugação e controle de ectoparasitas;
  3. Exames laboratoriais e físicos: resultados sem alterações;
  4. Comportamento: não podem ser agressivos e nem terem feito transfusões;


O tipo sanguíneo dos animaizinhos

Assim como existem tipos sanguíneos e compatibilidades diferentes entre os humanos também entre cães e gatos ocorre o mesmo. Desse modo, os gatos podem ter três tipos sanguíneos, que são: A, B e AB.  


Já no caso dos cães, o sangue possui sete variedades e subvariedades principais que formam o sistema DEA, ou seja, Antígeno Eritrocitário Canino, sendo eles: DEA 1 (subdividido em 1.1, 1.2 e 1.3), DEA 3, 4, 5, e 7.


Além disso, o DEA, ou seja, os tipos sanguíneos dos cães são bastante complexos e nem todas as suas propriedades já são conhecidas. De fato, as pesquisas já constataram que o tipo DEA 4 é tido como um doador universal.


Em uma primeira transfusão, o animalzinho pode receber uma doação de qualquer outro que esteja saudável. Contudo, a partir das próximas o sangue deve ser compatível com o seu para evitar possíveis reações que possam surgir.


Portanto, estas são algumas informações sobre a doação de sangue para cães e gatos que você precisa conhecer. Além disso, o mais importante é ter todos os cuidados necessários com o seu bichinho para mantê-lo saudável e, se possível, ser um doador.  

Postado em
June 11, 2021
na categoria
Saúde

Mais artigos em:

Saúde

ver todos