O

trato gastrointestinal é um conjunto de órgãos e estruturas (de uma extremidade a outra) que têm por função a digestão de alimentos, fornecendo nutrientes necessários para as atividades do organismo. Os distúrbios que acontecem nesse sistema são bastante comuns em cães e gatos, por isso é sempre preciso estar atento aos sinais. Vamos conhecer hoje mais sobre essas doenças e o que deve ser feito. 

Principais doenças

Qualquer distúrbio que cause a má absorção de nutrientes, impeça ou altere a passagem do alimento pelo sistema digestivo, pode ser considerado como uma doença gastrointestinal. Essas doenças podem se apresentar de forma aguda (sintomas vêm e vão rápido) e crônica (duram muito tempo).

  • Adenocarcinoma → Neoplasia intestinal mais comum em cães, porém é raro acontecer. Mas quando acontece, pode levar o cão a óbito em poucos dias por ser muito agressivo.
  • Colite → É uma inflamação no cólon, ocorrendo mais em animais mais jovens (menos de 5 anos de idade). A inflamação pode evoluir para todo o intestino grosso. Pode ser causada por estresse, parasitas, objetos estranhos ingeridos etc.
  • Constipação → O animal não consegue defecar, tendo como motivos a alimentação de baixa qualidade, desidratação, falta de exercícios físicos.
  • Disbiose → É uma desregulação na microbiota intestinal causada por usar antibióticos de forma inadequada (matam bactérias boas para o equilíbrio da microbiota), por alimentação inadequada, entre outras causas.
  • Doença inflamatória intestinal → É um conjunto de enteropatias que ocorrem devido a genética juntamente com a microbiota intestinal, a dieta e o sistema imunológico (alergias, reações adversas a alimentos e medicamentos) e parasitas. Pastor Alemão, Boxer, Yorkshire, Bulldog Francês, Shar-pei são exemplos de raças de cães predispostas. Os gatos de meia idade e idosos são os mais afetados pela doença.
  • Enterite → Inflamação no intestino delgado de cães e gatos. Em gatos pode ocorrer muito semelhante à parvovirose em cães. 
  • Estase fecal → As fezes ficam paradas no intestino por diversas causas, como: fratura pélvica, problema neurológico, neoplasia, corpo estranho obstrutivo, entre outros.
  • Estenose Pilórica → Pode ocorrer tanto em cães quanto em gatos. O piloro é um anel muscular que controla a passagem do alimento do estômago para o intestino delgado. O fechamento deste anel pode ser causado geneticamente ou de forma adquirida (ex: cicatrização de uma úlcera).
  • Gastrite → Pode ser causada por estresse, alimentos de baixa qualidade e até medicamentos.
  • Gastroenterite → Doença causada por bactérias, vírus, infecções e inflamações.
  • Infecção por bactéria →  Muitas bactérias podem causar alterações no trato gastrointestinal, como: Salmonella, Clostridium perfringens, Escherichia coli, entre outras.
  • Infecção por protozoário → Ex: Giardíase = a giárdia se aloja, principalmente, no intestino delgado. Clique aqui e aprenda um pouco mais sobre giardíase.
  • Infecção viral → Ex: Parvovirose = ocorre em cães, altamente contagiosa e pode levar os filhotes à morte, podendo desenvolver problemas cardíacos. Veja no nosso blog clicando aqui e entenda um pouco mais sobre essa doença. FIV/FeLV = ocorre em gatos; elas afetam a imunidade dos gatos, fazendo com que eles parem de comer, além de outros sintomas que serão visualizados abaixo. No nosso blog falamos um pouco mais sobre a FIV e a FeLV (clique nos nomes das doenças para saber mais sobre elas).
  • Infestação verminosa → Existem vários tipos de vermes que podem causar problemas no estômago e intestino. Nós falamos mais sobre esse tema no nosso blog - clique aqui para entender mais sobre vermes nos pets.
  • Ingestão de corpos estranhos → Ossos, pedras, brinquedos, caroços e sementes de frutas, entre outros objetos podem causar obstruções e lesões por todo trato gastrointestinal.
  • Influência nutricional → Frequência, quantidade, qualidade, tudo interfere direta e indiretamente, podendo alterar a microbiota intestinal. Além disso, é importante entender que cães e gatos possuem ancestrais selvagens e, por isso, são mais adaptados à dieta com proteínas animais. Com várias modificações durante os anos, o cachorro ainda consegue sobreviver bem com uma dieta com mais vegetais, porém o gato não mudou muito com o tempo, sendo estritamente carnívoro.
  • Linfangiectasia → Causa má absorção e uma grande perda de proteína devido à dilatação dos vasos linfáticos do intestino. Ocorre, principalmente, em cães.
  • Linfoma → Tumor mais comum em gatos, sendo muito agressivo, podendo levar o gato a óbito rapidamente.
  • Megaesôfago → Problema congênito ou adquirido, no qual o pet vai ter uma dilatação no esôfago, fazendo com que o alimento fique preso nessa região, podendo ser aspirado e levando a uma pneumonia aspirativa. 
  • Pancreatite → Inflamação do pâncreas (glândula com funções importantes no sistema digestivo e endócrino).
  • Parvovirose → Causada por um vírus, 
  • Reação/Sensibilidade alimentar → Esse distúrbio ocorre, principalmente, devido à proteína da ração ou do alimento que é fornecido, mas pode ser também pelos aditivos, corantes, conservantes etc.
  • Síndrome da dilatação vólvulo-gástrica → Mais comum em cães, essa doença é causada por acúmulo de gás e fluido no estômago, fazendo com que ele se dilate e pode levar a uma torção.

O que meu cão/gato vai apresentar?

Quando pensamos em doenças e problemas que ocorrem nesse sistema, é possível observar muitos sintomas semelhantes, mesmo tendo o agente causador diferente. Os cães e gatos podem apresentar apenas um ou mais de um sintoma. São eles:

  • Acúmulo de gás
  • Anorexia
  • Ascite/edema
  • Constipação
  • Coprofagia
  • Depressão
  • Diarreia
  • Diminuição do escore corporal
  • Disfagia
  • Dor abdominal
  • Emagrecimento
  • Fraqueza
  • Hipersalivação
  • Hiporexia
  • Hipotermia
  • Letargia
  • Perda de massa muscular
  • Polifagia
  • Problemas de pele: alteração de pelagem, piodermite, otite, prurido (coceira)
  • Regurgitação
  • Vômito

Como saber qual é a doença que meu pet tem?

Para fechar um diagnóstico primeiro é feita a anamnese (entender o histórico do animal), depois é realizado o exame físico. A partir desse ponto, o veterinário irá pedir exames complementares de acordo com a suspeita clínica, como de fezes, sangue, raio-x, ultrassom abdominal. Algumas doenças são diagnosticadas somente através da exclusão de outras, já que não possuem um teste específico para cada problema que pode ocorrer. Então não desanime, quando um exame não fecha o diagnóstico é só mais um passo para que seu pet seja diagnosticado corretamente.

Formas de tratamento

Para cada doença há uma forma de tratamento. No geral, pode começar descartando problemas como verminoses, caso ainda continue os problemas, vão sendo realizados os exames citados anteriormente para que se tenha um direcionamento melhor do que fazer. O tratamento pode ser desde uma alteração da dieta, uso de antibióticos, anti-inflamatórios, pré e probióticos até intervenções mais sérias como cirurgia.

Por isso, em qualquer sinal de alteração gastrointestinal, leve seu pet o quanto antes ao veterinário. Quando mais cedo se descobre a causa, mais rápido inicia-se o tratamento e menos risco de complicações ocorrem.

E aí? Gostou do conteúdo? Além de trazermos conhecimento para você, nós conseguimos te ajudar no controle da saúde do seu pet. Faça seu cadastro aqui e veja como é fácil. Ah! É gratuito!

Postado em
March 23, 2022
na categoria
Saúde

Mais artigos em:

Saúde

ver todos