V

ocê sabia que seu cachorro pode ser acometido pelo verme do coração? Existe um verme, cujo nome científico é Dirofilaria immitis, que é capaz de se instalar no coração dos cães e causar diversos problemas de saúde. A condição é chamada de dirofilaria canina.

Quer saber como é a transmissão, o diagnóstico e o tratamento da doença? Continue lendo o artigo e aproveite o Setembro Vermelho, campanha de conscientização sobre problemas cardíacos em pets, para cuidar da saúde do coração do seu cão.

Como os cães se infectam com o verme do coração

A transmissão ocorre por meio da picada de um mosquito. Assim, o cão é infectado por formas larvais, que se desenvolvem e atingem a maturidade no seu organismo. Essas larvas migram para os vasos pulmonares, onde se instalam. Se há grande quantidade de vermes, eles podem não se restringir ao ambiente pulmonar, ocupando o ventrículo e átrio direitos do coração e até mesmo a veia cava, gerando repercussões graves na saúde cardíaca dos nossos animais.

Essa infecção é mais comum em regiões litorâneas, nas quais o tempo quente e úmido favorece a proliferação dos mosquitos do gênero Aedes, Anopheles e Culex, que rondam residências e suas proximidades. 

Contudo, as mudanças climáticas e a urbanização têm permitido a multiplicação dos vetores em outros ambientes e aumentado a incidência da doença em regiões mais afastadas do litoral.

Sintomas do verme do coração

Casos iniciais ou leves do verme do coração em cães podem ser assintomáticos ou apresentar tosse. À medida que a infecção progride, os sinais clínicos se tornam mais evidentes, podendo ocorrer: agravamento da tosse, cansaço fácil, intolerância ao exercício e desmaios. É muito importante ficar atento a quaisquer mudanças de comportamento e ao surgimento de sinais de doença no seu cão. 

Como se trata de uma zoonose, o mosquito pode picar um cão infectado e transmitir o verme para uma pessoa. Diferentemente dos animais, os humanos têm problemas respiratórios, pois o verme se instala nos pulmões, causando uma grande inflamação.

Prevenção da dirofilariose canina é o melhor caminho

Para evitar que seu amigo seja infectado por esse verme, é importante fazer uso de medidas preventivas, como repelentes para evitar mosquitos e a vermifugação periódica com medicamentos que eliminam as larvas do organismo, como ivermectina, selamectina e milbemicina. Também é recomendado o uso de coleiras repelentes.

Se, infelizmente, seu pet já estiver apresentando sintomas sugestivos de dirofilariose canina, procure um médico veterinário de confiança para realização do diagnóstico correto e tratamento apropriado. Outras doenças também causam sinais clínicos semelhantes. Além disso, não medique seu cão sem orientação veterinária. 

O diagnóstico é feito por exames clínicos, laboratoriais e de imagem. Em geral, o ecocardiograma é o principal meio de confirmar a presença do verme, já que mostra a anatomia e a fisiologia do coração, sendo capaz de detectar infecções no órgão. Em alguns casos, o veterinário também pode solicitar exames de sangue.

O tratamento feito com vermífugo para verme do coração, além de antibióticos, a depender do quadro do animal. Em quadros mais graves, em que a quantidade de vermes é grande, a possibilidade de cirurgia é avaliada pelo médico veterinário.

Setembro Vermelho: 35% dos cães idosos possuem alguma cardiopatia

O verme do coração é apenas uma das doenças cardiovasculares que podem acometer cachorros. Estima-se que 35% dos cães idosos, com mais de 8 anos de idade, sofrem de alguma cardiopatia no país. Apesar de mais comuns nos mais velhos, problemas no coração podem atingir  animais de todas as idades e portes.

O Dia Mundial do Coração é celebrado em 29 de setembro. Por isso, a campanha do Setembro Vermelho foi criada para conscientizar tutores sobre a importância de cuidar do coração dos pets. O foco é na prevenção, com atitudes simples do dia a dia, como uma rotina de exercícios físicos e boa alimentação. 

As doenças cardiovasculares que mais acometem cães são: 

Degeneração mixomatosa da valva mitral: insuficiência da valva mitral, que atinge principalmente os cachorros de raça pequena e idosos. 

Cardiomiopatia dilatada: comum em cães de grande porte, causa arritmias cardíacas.

Dirofilariose: verme que cai na corrente sanguínea e se desenvolve no coração.

Insuficiência cardíaca congestiva: coração deixa de bombear sangue, oxigênio e nutrientes.

Quer cuidar melhor da saúde do pet? A Guiavet te ajuda! Faça seu cadastro gratuito e converse com nossos veterinários online.

Postado em
September 16, 2022
na categoria
Saúde

Mais artigos em:

Saúde

ver todos