S

e existe uma queixa recorrente sobre a saúde dos cães e gatos, são os episódios de vômitos, fezes moles e diarréia. Acontecem de "mamando a caducando" e são sempre problema, pois os tutores dificilmente conseguem saber o que causou e como fazer para melhorar.

Mas atenção - minimizar o problema, por ser comum, pode comprometer a vida dos animais e dificultar o tratamento. Sempre, a melhor decisão é procurar socorro médico veterinário.


gif



Enjôo, náusea, vômitos

As situações que levam a vomitar, quase sempre se iniciam com a náusea, também chamada de enjôo. É o começo do processo, em que o animal começa a salivar mais, babar e fazer movimentos de engolir.

Depois vem o vômito que é a expulsão do que estava no estômago - alimento, capim, líquido, sangue, ou outro material. Quando os vômitos ficam frequentes, a bile começa a ser expulsa também e o vômito fica amarelo.

As causas dos vômitos são várias, desde as que acontecem por mal funcionamento do próprio estômago, até aquelas que são consequências de excesso de alimentação, da ingestão de alimentos já em decomposição, da ingestão de plantas que induzem vômitos, da ingestão de tóxicos/venenos, e do mal funcionamento de outros órgãos, como o intestino, os rins e o fígado, por exemplo. Doenças causadas por bactérias, vírus, protozoários, têm o vômito como um dos sintomas.  

A presença de vermes também pode causar episódios de vômito. Não podemos esquecer que nos gatos, a limpeza que fazem pela lambedura de todo o corpo, leva à formação de bolos de pelo, que são vomitados regularmente. Um animal enjoado ou vomitando deve ser medicado. Controlar o enjôo e os episódios de vômitos deve ser uma iniciativa imediata, pois é um incômodo grande e debilitante. A perda de líquidos pelos vômitos leva facilmente à desidratação, que é uma situação grave que precisa ser resolvida rapidamente. A presença de sangue no vômito é sinal de que alguma coisa mais grave está acontecendo. A perda de sangue sempre é preocupante.


Fezes moles e diarréia

Para começar, vamos esclarecer que fazer coco mole e estar com diarréia são coisas diferentes. Diarréia é fazer coco pastoso, mole, ou líquido diversas vezes no dia, às vezes de maneira tão urgente que o animal mal consegue chegar aos locais onde normalmente faz o coco. Vamos lembrar de nós mesmos com dor de barriga para avaliarmos o incômodo e o mal estar. As causas podem ser várias, como alimentação em excesso, alimentação já em decomposição ou contaminada, presença de vermes, desequilíbrio da microbiota intestinal, inflamações, infecções por vírus, bactérias e protozoários (muitas vezes com a presença de mais de um vírus, mas também em conjunto com bactérias e protozoários). Assim como os vômitos, a presença de fezes moles e/ou diarréia, pode ser reflexo do mal funcionamento de outros órgãos.


As fezes amolecidas, se apresentam com muco, com sangue vivo, escurecidas (cor preta ou castanho escuro) pela presença de sangue, com cheiro mais forte. Estando mais líquidas a saída pode ser em jatos. Com diarréia, os animais sentem dor pela inflamação do intestino, pelo fato de seus movimentos estarem mais rápidos e por produzir gases em excesso. Podem ter febre, dependendo da causa do problema. E as diarréias geralmente são acompanhadas de vômitos.


Da mesma forma, a perda de líquidos causa desidratação e o sangramento compromete a vida do animal. O tratamento é feito com soluções hidratantes via oral ou injetável, antibióticos, medicação anti protozoários, repositores de microflora intestinal, medicação para febre e dor, medicação para controlar os vômitos, vermífugos, etc. Nunca se deve usar medicamentos que agem prendendo o intestino, por que o que está fazendo mal tem que sair, e o correto é dar suporte para que saia sem comprometer a vida do paciente.


É preciso atenção e avaliar a situação para saber que atitudes tomar. Um episódio de vômito ou fezes moles, se não persistir, pode nem ser necessário medicar, mas muitos episódios, em que se perde o controle é motivo para procurar socorro médico veterinário. Não existe uma "receita de bolo” para o tratamento. As variáveis são muitas e dependem de como está cada paciente. As doses das medicações são baseadas no peso do animal e como serão dadas depende de como se conseguirá no momento. Por exemplo, se estiver vomitando, não conseguirá ser medicado via oral e as medicações passarão a injetáveis; se tiver muito grave, deverá ser medicado direto na veia ou músculo, para que o efeito seja mais rápido. Os filhotes e os animais mais velhos, sempre são mais sensíveis e devem ser socorridos bem rapidamente.

Postado em
May 3, 2021
na categoria
Saúde

Mais artigos em:

Saúde

ver todos